O Projeto MULTICAM aposta no estudo da utilização alargada de câmaras multiespetrais de baixo custo nos setores da agricultura, transportes e pescas.

A Xsealence – Sea Technologies, SA, o Inov – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Inovação, a UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Tecmic – Tecnologias de Microeletrónic, SA, estão a unir esforços para desenvolver um estudo concetual para avaliar a viabilidade técnica e económica da produção de uma câmara multiespetral de baixo custo que realize a deteção precoce da qualidade dos produtos em vários setores económicos.

Pelo seu caráter inovador, este projeto foi escolhido para ser financiado pela União Europeia e pelo Portugal 2020 através do Compete 2020.

 Um projeto com ambição abrangente

O presente projeto visa desenvolver uma nova câmara multiespetral de baixo custo que possa ser deixada em campo, enviando imagens regularmente para um utilizador. A câmara multiespetral será formada por uma matriz de câmaras cada uma com um filtro ótico transparente a um determinado comprimento de onda. Esta câmaras serão comandadas por um controlador que será desenvolvido especificamente para esta tarefa no presente projeto. Pretende-se atingir um custo 10 a 20 vezes inferior ao de mercado.

A análise abrange duas utilizações principais da tecnologia multiespetral: um sistema de identificação automática de pescado e do seu estado de conservação; e a medição não-destrutiva de açúcares na uva, recorrendo ao uso de algoritmos de inteligência artificial e aprendizagem automática.

O desenvolvimento conjunto desta tecnologia, ao custo pretendido, permitirá aos parceiros do consórcio posicionarem-se na cadeia de valor dos setores agrícola (com especial relevância no sub-setor vitivinícola), do transporte de produtos perecíveis e das pescas, desenvolvendo novas soluções para esses negócios.

No setor do transporte de produtos perecíveis, será realizada a análise da possibilidade de monitorização do processo de transportes de produtos hortícolas e a geração de alertas para potenciais problemas ou degradação do estado de conservação dos produtos alimentares transportados, assim como o estudo da viabilidade comercial de uma solução para monitorizar a evolução de bens perecíveis durante o seu transporte em longas distâncias.

No setor da viticultura, será analisada a medição não destrutiva de açúcares na uva. Para a medição de açúcares na uva será feita uma seleção dos comprimentos de onda mais adequados e utilização desses comprimentos de onda para criar um índice espetral que tenha elevada correlação com a quantidade de açúcar.

Por último, no setor das pescas, o objetivo é analisar as potencialidades da tecnologia num sistema de identificação automática de pescado em embarcações de pesca, no qual a identificação de pescado será feita recolhendo dados de imagem em comprimentos de onda igualmente espaçados.

A identificação das espécies do peixe terá como objetivo estimar a quantidade de peixe apanhado por espécie, de forma a proteger as espécies capturadas.